Menu horizontal

Postagens recentes

sexta-feira, 11 de maio de 2012


Humildade. Ceder a vez para que alguém possa avançar.



Ao contrário do que muitas pessoas pensam a humildade não é demonstrada pela aparência, não é necessário usar roupas velhas e falar errado para mostrar que é uma pessoa humilde.
A humildade consiste em reconhecer o valor das pessoas e afirmar o que ela tem de melhor. Ceder à vez para que o outro possa avançar, mesmo que isso signifique sacrifício pessoal.
Algumas vezes esse sacrifício pode custar algo que você quer muito, porem através do amor pode-se ceder a alguém reconhecendo que as necessidades do outro são tão importantes quanto ás nossas.
Isso demonstra força e não fraqueza.
A humildade não desperdiça energia com orgulho, ressentimentos ou raiva.
A partir do momento que você decide ser humilde certamente isso lhe proporcionará alegria e o sacrifício terá valido a pena.


Humildade como estilo de vida.
          
             Tudo o que tenho e sou me foi dado.

A vida não foi escolha sua, ao nascer alguém supriu suas necessidades básicas por muitos anos.
Seu cérebro e suas habilidades foram dons que você recebeu de Deus para que os desenvolvesse. O sangue que mantém seu corpo em funcionamento não flui por seu esforço.
Não permita que o falso eu a engane através do orgulho. Tenha consciência de que tudo quanto temos é uma dádiva de Deus, a vida, a saúde, o ar que respiramos o sustento.
O orgulho é a consciência das próprias habilidades. A humildade, o reconhecimento de quanto somos dependentes do Senhor nosso Deus e das pessoas que nos cercam.
Todo o louvor e toda a glória pertencem a Deus.

            A dor nos afasta do propósito de sermos pessoas humildes.

A dor pode facilmente atrapalhar nossas tentativas de buscar a humildade. Ela pode ter sido gerada lá na infância, onde são adquiridos os maiores traumas, no fato de ter sido preterida a outro irmão, o que é muito comum. Ou pode ter sido pior, algumas vezes no útero da mãe. A rejeição á gravidez passa ao feto um sentimento de que ele não é querido ou desejado, infelizmente isso trás consequências para toda a vida e se reflete nos relacionamentos dessa pessoa.
 Um cargo, uma amizade que acabou,  perder o cônjuge para outra pessoa. Seja qual for o caso, o medo de sermos novamente magoados é capaz de fazer com que nos defendamos tentando impressionar os outros. Alcançamos certo nível de autoproteção que pode nos fazer parecer orgulhosos, esquecendo a arte da humildade.
A cura para essas feridas só pode ser alcançada através do amor.

                                       

Nenhum comentário: